Esposende acolheu Jornada Técnica do Projecto Biomasa-AP

Jornada Técnica Projeto Biomasa-AP
6 Junho 2019
Mostrar todo

Esposende acolheu Jornada Técnica do Projecto Biomasa-AP

Esposende acolheu, esta semana, a Jornada Técnica do Projecto Biomasa-AP, numa sessão que teve como palco o Fórum Municipal Rodrigues Sampaio.

O Biomasa-AP é um projecto transfronteiriço que tem como objectivo a «optimização da exploração e aproveitamento energético da biomassa residual procedente dos restos de poda de vide e Kiwi e dos matos, e avaliar a sua utilização em processos de combustão e gasificação para a geração de energia térmica e eléctrica à pequena escala», pode ler-se em nota enviada pelo Município de Esposende.

Esta jornada, promovida pela Agência de Energia e Ambiente do Cávado, juntamente com os parceiros espanhóis do projecto, contou com a participação de diversos especialistas, que abordaram a importância da Biomassa florestal em Portugal e Europa, futuro e desafios, e a organização da produção para a valorização dos recursos florestais, e apresentaram os avanços dos resultados técnicos do projecto que estão a ser alcançados.

 Na qualidade de anfitrião e enquanto Presidente da Direcção da Agência de Energia e Ambiente do Cávado, o Presidente da Câmara Municipal de Esposende, Benjamim Pereira, abriu os trabalhos da sessão, realçando a «pertinência da abordagem da temática, numa altura em que se colocam vários desafios no plano da gestão florestal».

Particularizando a questão da floresta, o autarca alertou para o «incumprimento e negligência no que se refere ao destino dos sobrantes da massa florestal, deu nota das dificuldades para uma gestão eficaz, nomeadamente no que diz respeito à limpeza de terrenos, tanto por particulares como pelas próprias autarquias, e manifestou a expectativa de que a abordagem destas questões passe por uma estratégia mais eficaz».

Em jeito de reflexão, e porque considera que «a solução encontrada não é viável», Benjamim Pereira considerou que o combate ao problema da limpeza de terrenos e, consequentemente, aos incêndios florestais, poderia, eventualmente, traduzir-se na «criação de incentivos aos proprietários que motivassem o cumprimento da legislação governamental».

Tendo em consideração o potencial das florestas, o autarca deu nota de um conjunto de oportunidades subjacentes a esta área, desde logo a produção de energia, referindo a inerente criação de emprego e de riqueza e de fixação da população. «Não é uma área negligenciável, é uma oportunidade», afirmou Benjamim Pereira.

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies